Uma revolução está em andamento, a Internet das coisas ou IOT! Quando a grande rede mundial começou, apenas computadores eram conectados entre si. Com o tempo, o acesso foi se expandindo para smartphones, tablets, televisores, e por aí vai.

Você sabe o que é internet das coisas? Vamos entender melhor esse conceito e como ele está caminhando a passos largos para mudar a forma como lidamos com a tecnologia em inúmeros cenários. Você vai se surpreender com as inovações que já estão acontecendo. Acompanhe!

O que é internet das coisas?

Pense num futuro em que praticamente tudo está conectado à web. Nossos eletrodomésticos e outros acessórios, como geladeira, ar-condicionado, e até mesmo fechaduras comunicam-se entre si e com a internet. Assim, além de fornecerem informações relevantes e funcionarem de forma inteligente, esses dispositivos poderão ser controlados à distância.

Se hoje já vivemos conectados o tempo todo, em um futuro no qual a internet das coisas será nosso cotidiano, o mundo real e o virtual experimentarão uma sincronia nunca antes vivenciada. E a revolução não fica apenas dentro das nossas casas: veículos, semáforos, carteiras, tudo estará online.

De onde surgiu esse conceito?

Muita gente que já sabe o que é internet das coisas acredita que ela é uma novidade, mas especialistas já falam dela há décadas. Desde 1991 já se pensava em conexões de dispositivo para dispositivo, ou seja, sem uma pessoa em uma das pontas.

Mas foi em 1999 que Kevin Ashton, do MIT — instituto de tecnologia mais respeitado do mundo — cunhou o termo “internet das coisas” e a definiu da forma como conhecemos hoje. Desde então, o mundo tem trabalhado para tornar real essa evolução da internet como conhecemos.

A internet das coisas já é uma realidade?

É claro que esse é um conceito poderosíssimo, com infinitas possibilidades que nos fazem pensar num mundo futurístico, e estamos longe de alcançar todo esse potencial. Entretanto, já existem diversos dispositivos conectados à internet que são considerados precursores. Vamos conhecer alguns!

Nest

Nest foi comprada pelo Google e desenvolve produtos como termostatos, detectores de fumaça inteligentes e outros acessórios conectados para casas e escritórios. O termostato é capaz de definir a temperatura com base na rotina do usuário e da temperatura ambiente.

Salesforce

A Salesforce desenvolveu uma plataforma pioneira que coleta e trata dados de dispositivos e sensores de clientes e parceiros e, assim, auxilia empreendedores de todo o mundo a tomarem decisões proativas. O “cérebro” de toda essa infraestrutura é capaz de processar bilhões de eventos em tempo real. Um ótimo exemplo de como a internet das coisas é relevante para os negócios.

Tesla Motors

A fabricante de carros colocou sua marca na internet das coisas. Seus veículos possuem conexão à internet e diversos sensores que geram informações úteis para os motoristas. Além disso, a Tesla investe em carros autônomos, ou seja, que se locomovem sem intervenção humana.

Philips Lightning

As lâmpadas inteligentes Hue são controladas pelo smartphone e mudam intensidade e cor ao gosto do usuário. Além disso, é possível configurá-las com base em situações — provendo iluminação adequada para quando você estiver assistindo filmes ou recebendo amigos.

Quais são os desafios dessa nova realidade?

Embora hajam diversas iniciativas que colocam a internet das coisas no nosso cotidiano, o conceito ainda está numa fase bastante embrionária. Um dos principais desafios é a segurança, afinal, se praticamente todas as coisas — incluindo carros, fechaduras de portas e semáforos — estarão online, é fundamental que os riscos de invasão sejam mínimos.

Além disso, toda essa conectividade demandará uma infraestrutura muito além da que temos atualmente. O volume de dados trafegados na internet aumentará exponencialmente, e não há espaço para panes ou lentidões constantes, ou a experiência dos usuários será um pesadelo.

Por fim, ainda é necessário estabelecer padrões que viabilizem a comunicação entre tantos dispositivos diferentes. Se cada fabricante se fechar num padrão próprio, uma realidade em que todos os nossos dispositivos se comunicarão dificilmente ocorrerá. Felizmente, a indústria de tecnologia já tenta se organizar com esse objetivo, por meio de consórcios como a Open Connectivity Foundation.

Gostou de descobrir o que é a internet das coisas e o que ela reserva para o futuro? Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais!